Estruturalismo nas empresas PDF Imprimir E-mail
Avaliação do Usuário: / 0
PiorMelhor 
Liderança
Escrito por Milena Queiroz Gonçalves Santos   
Seg, 05 de Outubro de 2009 17:31

Estruturalismo nas empresas

 
Þ A Teoria Estruturalista surgiu como um desdobramento da Burocracia, buscando resolver os conflitos existentes entre a Teoria Clássica (com sua abordagem mecanicista do homem econômico), a teoria das Relações Humanas (com sua visão ingênua do homem social) e a própria Teoria Burocrática (que propunha aplicação de um modelo organizacional ideal e universal, inviável na prática). Independentemente das críticas específicas a cada uma dessas teorias, as três forneciam um enfoque somente parcial e fragmentado da organização.
 
Þ A idéia básica do Estruturalismo é considerar a organização em todos os seus aspectos como uma só estrutura, fornecendo uma visão integrada da mesma: analisar as influências de aspectos externos sobre a organização, o impacto de seus próprios aspectos internos, as múltiplas relações que se estabelecem entre eles.
 
Características do Estruturalismo
 
·     Submissão do indivíduo à socialização -O desejo de obter recompensas materiais e sociais (como prestígio, reconhecimento de seus pares etc.) faz com que o indivíduo aceite desempenhar vários papéis sociais em seu trabalho. Isso é possível graças à existência de diversos grupos dentro da mesma organização.
·     Conflitos inevitáveis - Os conflitos entre os interesses dos funcionários e os objetivos da empresa são inevitáveis. Ao considerar os aspectos racionais e irracionais das necessidades empresariais e individuais, os conflitos podem ser reduzidos, mas não eliminados. Sua minimização pode tornar o trabalho mais suportável, apesar de não satisfatório. Por outro lado, se forem disfarçados, os conflitos se expressarão de outras formas, como abandono do emprego ou aumento do número de acidentes.
 
·     Hierarquia e comunicações - A hierarquia é vista como perniciosa à comunicação dentro da empresa. “Mas, seguindo-se a suposição de que a hierarquia é um pré-requisito funcional para a coordenação em uma organização formal, suas disfunções são consideradas um custo inevitável, custo esse que poderá ser reduzido mas não eliminado.”
 
 
·     Incentivos mistos -Os estruturalistas consideram que, também na questão dos incentivos, tanto os clássicos (incentivo monetário) quanto os humanistas (incentivos sociais) tinham uma visão parcial. Os indivíduos, sendo seres complexos, precisam se realizar em diversos aspectos.
 
Þ Thompson atribui à rigidez do modelo burocrático a responsabilidade pela falta de compreensão da organização como um todo. A estratégia seguida pelas organizações para se ajustar a seu ambiente pode seguir vários modelos, conforme a atuação das mesmas quanto a objetivos comuns:
 
·     Concorrencial - ocorre quando organizações que compartilham dos mesmos objetivos procuram atingi-los em separados.
·     Cooperativa -  as relações cooperativas entre organizações podem atingir diversos níveis, conforme o grau de trabalho conjunto implantado para a consecução de objetivos comuns. Assim, existem três tipos básicos de cooperação:
*     Negociação - compreende as relações estabelecidas entre duas ou mais organizações, para a troca de bens ou serviços entre si.
*     Co-opção - envolve uma parcela muito mais significativa de penetração de uma empresa no processo decisório da outra. Como por exemplo, teríamos a participação de representantes de instituições financeiras nas reuniões de cúpula de empresas que pretendem ampliar seus recursos financeiros.
*     Coalizão - é a combinação de duas ou mais organizações, para a consecução dos objetivos comuns. Requer um compromisso entre seus participantes, no sentido de adotarem decisões conjuntas para ações futuras. Por exemplo, empresas de setores específicos que se unem para desenvolver pesquisas.
 
Þ As críticas feitas ao Estruturalismo, normalmente, são respostas às críticas formuladas pelos próprios estruturalistas, em especial à Escola de Relações Humanas. Assim, alguns defensores dessa escola discordam da consideração geral de que ela nega a existência de conflitos e alegam que seus críticos confundem relações humanas com “ser amável com as pessoas”.