Regência Verbal PDF Imprimir E-mail
Avaliação do Usuário: / 0
PiorMelhor 
Ensino Médio - Português
Escrito por Geidson da Silva Neves   
Sex, 28 de Novembro de 2008 16:30
 

REGÊNCIA VERBAL

Regência é a relação necessária que se estabelece entre duas palavras, uma das quais servindo de

complemento a outra (dependência gramatical).

subordina ao TERMO REGENTE.

Assim, a relação entre o verbo (termo regente) e o seu complemento (termo regido) chama-se REGÊNCIA VERBAL, orientada pela transitividade dos verbos que podem se apresentar diretos ou indiretos, ou seja, exigindo um complemento na forma de objeto direto ou indireto. Lembrando que o OBJETO DIRETO é o complemento do verbo que não possui preposição e que também pode ser representado pelos pronomes oblíquos "o, a, os, as". Já o OBJETO INDIRETO vem acrescido de preposição e igualmente pode ser representado pelos pronomes "lhe, lhes". Cuidado, porém, com alguns verbos, como "ASSISTIR e ASPIRAR", que não admitem o emprego desses pronomes.

Os pronomes "me, te, se, nos e vos" podem, entretanto, funcionar como objetos diretos ou indiretos.

ATENÇÃO: Muitas vezes alguns verbos podem apresentar diferentes regências sem que seus sentidos sejam alterados ou, ao contrário, acarretando diferentes significados e acepções.

REGÊNCIA DE ALGUNS VERBOS:

- ABRAÇAR.

Pede objeto direto.

Exemplos:

Abracei Michele carinhosamente em seu aniversário.

Pelo meu elogio, Pedro abraçou-me agradecido.

Observação: Este verbo pode aparecer com outras regências que não acarretam mudança no sentido, mas que introduzem matizes especiais de significação.

Exemplos:

Meio tonto, Lucas abraçou-se ao poste.

Para caminhar com mais apoio, Ana abraçou-se em mim.

Comemorando a vitória, Luís abraçava-se com o pai.

- ACONSELHAR.

Pede objeto direto e indireto no sentido de "dar e tomar conselhos, entrar em acordo".

Exemplos:

Aconselho você a não sair de casa hoje por causa da chuva.

Aconselhei à Isabel um bom caminho para ir à praia.

Aconselhamos João sobre os malefícios do fumo.

Aconselhei-me com o juiz sobre o meu processo.

Depois nos aconselharemos no que mais nos convier.

 

Aconselharam-se para me trair.

- AGRADAR.

Pede objeto direto no sentido de "acariciar, fazer agrados".

Exemplos:

O pai agradava o filho antes de sair para o trabalho.

Sempre agradei minhas namoradas com meus elogios. (agradá-las)

Pede objeto indireto no sentido de "ser agradável, contentar, satisfazer".

Exemplos:

A resposta não agradou ao professor.

Tenho certeza de que este livro não lhe agradará.

A piada não agradou à platéia.

- AGRADECER.

Pede objeto direto e indireto.

Exemplos: (AGRADECER ALGUMA COISA A ALGUÉM)

Agradeci A Deus a cura de minha mãe.

Agradeceu-me comovido o presente.

Observação: Agradecer a alguém "por alguma coisa" é incorrer em italianismo, forma perfeitamente

dispensável.

- AJUDAR.

Pede objeto direto e indireto.

Exemplos:

Ajudo meu irmão em seu escritório.

Ajudei-o a resolver aqueles problemas.

- APOIAR-SE.

Pede objeto indireto.

Exemplos:

Para não cair, Carlos apoiou-se ao muro.

Ela apóia-se à mesa para escrever.

Apoiamo-nos em documentos para provar o que dissemos.

Apoiei-me sobre a perna direita ao descer do ônibus.

- ANTIPATIZAR / SIMPATIZAR

Pedem objeto indireto, iniciado pela preposição "com".
 

 

Exemplos:

Antipatizei com aquela secretária.

Simpatizo com as idéias daquele partido.

Observação: Esses verbos não são pronominais. Assim, não se deve dizer: "antipatizei-me com ela" ou "simpatizei-me com ela".

- ASPIRAR.

Pede objeto direto quando significa "respirar, sorver, absorver".

Exemplos:

Aspirei muita poeira, limpando aqueles livros velhos.

Ao abrir a janela, aspirei o ar puro da manhã.

Pede objeto indireto no sentido de "ambicionar, pretender, desejar".

Exemplos:

Ele sempre aspirou ao cargo de presidente da República. Todos aspiram a uma vida melhor.

Observação: Neste caso, não se admite o pronome átono "lhe" que deve ser substituído pelas formas "a ele, a ela", etc.

Exemplo: Aquele aumento de salário?! Aspiro a ele desde o ano passado.

- ASSISTIR.

Pede objeto direto no sentido de "prestar assistência, ajudar, servir, acompanhar".

Exemplos:

O médico assiste a evolução daquele paciente todos os dias.

A Prefeitura assistiu os moradores daquela favela depois dos desabamentos.

Pede objeto indireto quando significa "prestar atenção, estar presente, presenciar"

Exemplos:

Assistimos ao jogo ontem à noite.

Aquele casal assistiu à queda do avião com indiferença.

Observação: Neste caso, também é exigida a forma "a ele/a ela", quando da substituição do complemento por uma forma pronominal.

Exemplo: Quanto ao julgamento, assistimos a ele preocupados.

Também pede objeto indireto no sentido de "pertencer, caber direito ou razão".

Exemplo: Não lhe assiste o direito de reclamar neste momento.

Observação: Nesta acepção, é aceito como objeto indireto o pronome oblíquo "lhe".
 

 

- ATENDER

Pede objeto direto com o significado de "servir, escutar e responder".

Exemplos:

O garçom atendia o freguês com simpatia.

Renato atendeu o telefone logo que ele tocou.

Pede objeto indireto no sentido de "deferir, cuidar de".

Exemplos:

O juiz atendeu ao requerimento do advogado.

Horácio e Vera atendiam às crianças de sua creche com muito carinho e dedicação. Todo domingo, um grupo de jovens atendia aos mais necessitados de seu bairro com alimentos e roupas doados.

Pede objeto direto ou indireto, indiferentemente, quando significa "dar ou prestar atenção a, dar audiência a".

Exemplos:

O soldado não atendeu as (às) ordens do sargento.

Janete sempre atendia os (aos) conselhos de sua mãe.

O reitor atenderá a (à) comissão de alunos amanhã.

- ATINGIR

Pede objeto direto.

Exemplos:

A despesa atingiu 50 reais.

Atualmente a informática atinge um progresso espantoso.

- ATIRAR

Pede objeto direto quando significa "arremessar, lançar, arrojar".

EXEMPLOS:

"AQUELE QUE ESTIVER SEM PECADO QUE ATIRE A PRIMEIRA PEDRA!"

Mário gosta de atirar pedras no telhado do vizinho.

Observação: Não se deve confundir objeto indireto com adjunto adverbial.

Pede objeto indireto no sentido de "disparar arma de fogo".

Exemplos:

O alvo a que os soldados atiravam ficava a 300 metros.

 

Atirem nos inimigos quando eu mandar!

- AUMENTAR

Pede objeto indireto com a preposição "em".

Exemplo: A dívida externa brasileira aumentou em tamanho.

- AVISAR (assim como CERTIFICAR, INFORMAR, NOTIFICAR, PREVENIR)

Pede objeto direto e indireto.

Exemplos: (AVISAR ALGUÉM DE ALGUMA COISA - fFORMA MAIS ACEITÁVEL) Eu avisarei Pedro da sua chegada.
Eu o avisarei...

(AVISAR ALGUMA COISA A ALGUÉM)

Eu avisarei sua chegada a Pedro.

Eu lhe avisarei...

- BATER

Pede objeto direto, significando "bater alguma coisa"

Exemplos:

Ao sair, Marco bateu a porta com violência.

Ela machucou seu dedo, batendo pregos na parede.

Sílvio bateu o carro no poste violentamente.

Pede objeto indireto com o sentido de "bater a, na, pelas portas, bater em alguém, bater sobre".

Exemplos:

Alguém bateu à porta quando eu assistia à televisão.

Alguém bateu na porta da sala com uma bengala.

O mendigo batia pelas portas de várias casas a pedir só um prato de comida.

João foi preso ontem por bater em sua mulher.

Revoltado, o diretor bateu sobre a mesa a mão fechada com extrema raiva.

- CARECER

Pede objeto indireto.

Exemplos: (Com o sentido de "precisar, necessitar")

Careço de dinheiro para pagar minhas contas.

Careço do carinho de meus avós que já morreram.

- CARREGAR

Pede objeto direto ou indireto.
 

 

Exemplos:

Carreguei o menino no colo o dia todo.

Carreguei com o menino deste lugar perigoso.

- CERTIFICAR (Mesma regência de AVISAR)

- CHAMAR

Pede objeto direto ou indireto - com a preposição "por" como posvérbio - quando significa "fazer vir

alguém, convocar, invocar, pedir auxílio".

Exemplos:

O presidente chamou os ministros para uma reunião urgente.

(Chamou-os)

Em suas preces, Alzira chamou por todos os santos.

O rapaz chamava pelos colegas para empurrarem o carro.

Quando viu os ladrões, Noeli chamou pela polícia.

De longe, notei que alguém chamava por mim.

Ainda com este sentido, o verbo CHAMAR pode tornar-se intransitivo.

Exemplos:

- Chamou? Perguntou o policial.

- Chamei! Respondeu a moça.

Com o significado de "denominar, apelidar", pede objeto direto ou indireto e predicativo, com ou sem

preposição.

Exemplos:

Chamavam Jânio, maluco. / Chamavam Jânio de maluco.

Chamavam a Jânio de maluco. / Chamavam a Jânio, maluco.

- CHEGAR

Pede o emprego da preposição "a"; contudo, já é bastante usual na linguagem coloquial brasileira o

emprego da preposição "em".

Exemplos:

Ele chegou ao (no) colégio atrasado.

Bete chegou a (em) casa de madrugada.

Observação: Em "Cheguei na hora exata", a preposição "em" está empregada corretamente, porque

indica tempo, e não lugar.

- CERTIFICAR (ver AVISAR)

 

 

- COMUNGAR

 

Pede objeto direto com o sentido de "dar comunhão.

Exemplo: O padre comungou meus pais hoje. (Comungou-os)

Com o significado de "estar de acordo, participar", pode vir com preposição, como pósverbio.

Exemplos:

Eles comungavam às (das/nas/com as) mesmas idéias.

Gabeira voltou ao Brasil para comungar das (com as/nas) liberdades e dos direitos e deveres democráticos.

- CONFRATERNIZAR

Pede objeto indireto.

Exemplo: Os jogadores confraternizaram com a torcida após a conquista do campeonato.

Observação: O verbo confraternizar já indica reciprocidade. Portanto, o pronome "se" é perfeitamente

dispensável.

- CONHECER

Pede objeto direto.

Exemplos:

Eu conheço aquela menina de algum lugar. (Eu a conheço)

- CONSTITUIR (-SE)

O verbo constituir é transitivo direto.

Exemplo: Esses capítulos constituem o núcleo do romance.

O verbo constituir-se rege a preposição "em": Esses capítulos constituem-se no núcleo do romance.

- CONTENTAR

Pede objeto direto quando significa "agradar, satisfazer".

Exemplos:

Fiz o possível para contentar meus filhos neste Natal.

Não consegui contentá-la com meu presente. Com o sentido de "ficar contente", o verbo é pronominal, apresentando-se com as preposições "com, de, em".

Exemplos:

Contento-me com poucas coisas.

 

Contentou-se em/de viajar amanhã para a Europa.

- CONTRIBUIR

Quando se usar o verbo "contribuir", a preposição "com" deverá introduzir o meio utilizado para a

contribuição (dinheiro, mão-de-obra, mantimentos, roupas, etc.); já a preposição "para" introduzirá o

beneficiário da contribuição, ou seja, a quem será destinado o elemento material da contribuição. Devese dizer, pois, que alguém contribui com algo para alguém.

Exemplos:

Ele contribuiu com dinheiro para as vítimas das enchentes.

Pedro contribuirá com sua experiência de pedreiro para a reforma da escola.

- CONVIDAR

Pede objeto direto.

Exemplos:

Convidarei Bruna para sairmos hoje.

Cláudia não o convidou para a festa.

- CUSTAR

Pede objeto direto quando significa "valer, ter um preço".

Exemplos:

Este carro esporte custa cem mil dólares.

Quanto custou esse livro?

Quando significa "ser difícil", pede objeto indireto e vem sempre na terceira pessoa, tendo como sujeito uma oração, geralmente reduzida de infinitivo.

Exemplos:

Custa-me ir trabalhar de trem todos os dias.

Custam aos alunos esses exercícios de geometria (Custam-lhes)

Se o verbo vem seguido de um infinitivo, este pode vir ou não precedido da preposição "a"
.

Exemplos:

Custou-me (a) resolver esses problemas.

Ele há de custar (a) dar o primeiro passo.

Observação: Para valorizar a pessoa a quem um fato apresenta-se difícil, ou ainda tendo o sentido de "tardio, demorado", a linguagem coloquial põe-na como sujeito da oração.

Exemplos:

Custei (a) resolver esses problemas.

Custamos (a) acreditar que aquilo era verdade.

 

 

- DEPARAR

 

Pede objeto direto quando significa "fazer aparecer".

Exemplo: Qual é o santo que depara as coisas perdidas?

Pede objeto indireto no sentido de "encontrar com alguém de repente".

Exemplo: Ana deparou com seu pai na rua.

É pronominal, significando "vir, chegar, surgir inesperadamente".

Exemplo: Deparou-se-lhe uma ótima chance de emprego

- DESCULPAR

Pede objeto direto e indireto, possuindo os sentidos de "pedir desculpas, perdoar e justificar".

Exemplos: (PERDOAR ALGUÉM DE OU POR ALGUMA COISA)

Desculpe-me de (por) ter gritado com você.

Ao chegar, Antônio desculpou-se da (pela=por+a) demora.

Desculpei meu irmão de (por) me ter ofendido. (Desculpei-o)

Toda mãe sempre desculpa os erros de seus filhos.

- DIGNAR-SE (pronominal, que no padrão culto rege a preposição "de")

Exemplos:

Ele não se dignou de dizer a verdade.

O deputado nem se dignou de nos responder.

Observações: É comum, em textos formais, encontrar esse verbo com a preposição "de" elíptica. Ex.: O Presidente se dignou ouvir nossas reivindicações. Normalmente, esse verbo, na linguagem corrente, é usado com as preposições "em" ou "a", sendo esse uso inadequado, já que não é aprovado por gramáticos e dicionaristas.

- ENCONTRAR

Pede objeto direto quando significa "achar, avistar".

Exemplo: Só hoje encontrei o livro que tanto procurava.

Pede objeto indireto no sentido de "deparar com alguém, ter ou marcar um encontro".

Exemplo: Encontramos com João no cinema.

É pronominal quando significar "estar, achar-se em".

Exemplo: A secretária disse que seu chefe encontrava-se em reunião.

 

 

- ENSINAR

 

Pede objeto direto e indireto.

Exemplo: Ensinei português aos alunos a tarde toda.

- ENTRAR

Pede objeto indireto.

Exemplos:

Entrei na sala de aula.

Entrei de cantor no conjunto do colégio.

Entrei para o coro do teatro.

- ESPERAR

Pede objeto direto.

Exemplo: Na festa, todos esperavam Pelé.

Observação: Pode-se empregar a preposição "por" como posvérbio, marcando interesse: "Todos

esperavam por Pelé."

- ESQUECER

Dependendo do matiz de significação que se queira dar ao verbo, este poderá se apresentar transitivo direto ou indireto e pronominal, acompanhado dos pronomes me, te, se, etc.

Exemplos:

Esqueci o livro sobre a mesa.

Esqueci-me do livro...

Não esqueça as suas tarefas.

Não se esqueça das suas tarefas.

Já esqueci totalmente o latim.

Já me esqueci totalmente do latim.

Na língua do Brasil, no entanto, surgiu uma fusão dessas duas possibilidades: esquecer de algo ou de alguém. Essa forma é usadíssima na fala e encontra registro na escrita, sobretudo quando o complemento de "esquecer" é um infinitivo: "Ia esquecendo de fazer uma confidência importante" (Érico Veríssimo); "Ele esqueceu de ir ao banco"; "Não esqueço de você"; "Não esquecia da saúva" (Mário deAndrade).

Atenção: Se participar de um concurso público, de um vestibular, de uma prova tradicional, você deve considerar erradas as construções do parágrafo anterior, apesar de serem comuns na fala e na escrita brasileiras. Há ainda a possibilidade de o sujeito do verbo "esquecer" não ser uma pessoa, um ser humano. O sujeito é uma coisa, um fato. Mas coisa No caso, "esquecer" passa a significar "cair no esquecimento". Em "Açores: Férias que nunca esquecem" (frase de um anúncio divulgado em Portugal), o sujeito do verbo "esquecer" é "férias". Elas, as férias, nunca caem no esquecimento.

Em Machado de Assis, encontram-se vários casos desse emprego de "esquecer": "Esqueceu-me

 

apresentar-lhe minha mulher", onde o sujeito de "esqueceu-me" é a oração "apresentar-lhe minha

mulher", ou seja, esse fato - o ato de apresentar-lhe minha mulher - caiu no meu esquecimento.

Essa mesma regência vale para "lembrar", isto é, há na língua o registro de frases como "Não me

lembrou esperá-la", em que "lembrar" significa "vir à lembrança". O sujeito de "lembrou" é "esperá-la", ou seja, esse fato - o ato de esperá-la - não me veio à lembrança.

- ESTIMAR

Pede objeto direto quando significar "ter afeição ou amizade a, apreciar, avaliar, congratular-se por, ser de opinião, achar".

Exemplos:

Estimo meus sobrinhos como filhos.

Estimava bastante os filmes de Chaplin.

Estimo esse anel em mil dólares.

Estimamos suas melhoras.

Estimei o fim da obra para daqui a dez dias.

Com o sentido de "prezar-se", apresenta-se também como pronominal.

Exemplo: Normalmente, estima-se todos aqueles que fazem o bem.

- FELICITAR

Pede objeto direto e indireto.

Exemplo: Felicito-o por (de) ter passado no concurso.

- FUGIR (ESCAPAR)

Pede objeto indireto.

Exemplos:

Fugiu-lhe as forças.

Fugiram ao cerco da polícia.

Ele foge de qualquer briga.

- GOSTAR

Quando sinônimo de "apreciar", pede objeto indireto.

Exemplo: Ele gostou do almoço que lhe servimos.

Quando significa "degustar, provar, experimentar, saborear",pede objeto direto.

Exemplo: Ele gostou o vinho.

- IMPLICAR


Pede objeto direto quando significa "acarretar, produzir como conseqüência alguma coisa, pressupor".
 

 

Exemplos:

Tua atitude implica prejuízos ao colégio.

Acho que esses novos cálculos implicarão mudanças gerais nas obras.

Com o sentido de "envolver, comprometer", pede objeto direto e indireto.

Exemplos:

(IMPLICAR ALGUÉM EM ALGUMA COISA)

P. C. Farias implicou muita gente em suas falcatruas.

Com o sentido de "ter antipatia, irritação em relação a alguém ou a alguma coisa", pede objeto indireto.

Exemplos:

Dona Maria implicava com todas as crianças do bairro.

Paulo implica com sua irmã caçula o dia todo.

- IMPORTAR

Pede objeto direto com o significado de "fazer vir de país estrangeiro, acarretar".

Exemplos:

O Brasil importa muitos automóveis da Europa.

As guerras importam grandes calamidades.

Pede objeto indireto quando significa:

1. ATINGIR O TOTAL DE;

Exemplo: As despesas importaram em vinte mil dólares.

2. REPRESENTAR;

Exemplo: Só eliminei os erros do texto quando eles importavam em erros gramaticais.

3. DIZER RESPEITO, INTERESSAR;

Exemplo: Estas regras importam a todos que desejam escrever bem.

4. PREOCUPAR-SE, INCOMODAR-SE COM OU DE (pronominal);

Exemplos:

Toda mãe importa-se quando seus filhos saem à noite sozinhos.

Você se importa de ficar aqui hoje?

- INDAGAR

Pede objeto direto e indireto.

Exemplo: Os alunos indagaram as suas notas baixas do professor.

 

- INFORMAR (ver AVISAR)

- INTERESSAR

Pede objeto direto e indireto quando significa "prender a atenção, despertar a curiosidade".

Exemplo: Por meio desse novo método, consegui interessá-lo em matemática.

Pede objeto indireto e é pronominal com o sentido de "ser proveitoso, útil, empenhar-se".

Exemplos: Em função do meu trabalho, interessava-me em residir fora do Rio de Janeiro.

Ele não se interessa nas aulas de física.

- IR

Pede objeto indireto ou complemento circunstancial de lugar.

Exemplos:

Vou a São Paulo.

Fui para a França.

- LEMBRAR

Significando "fazer vir à memória por analogia, sugerir", pede objeto direto.

Exemplo: Depois da chuva, a estrada lembrava um rio.

Pede objeto direto e indireto quando significa "recomendar, advertir".

Exemplos:

este retrato é para lembrá-la a você.

Lembre seu pai de tomar os remédios na hora certa.

Com o sentido de "recordar, vir à memória, trazer à lembrança", é possível duas formas.

Exemplos:

Lembrei o acidente.

Lembrei-me do acidente.

Observação: Quando o objeto indireto vem expresso por uma oração desenvolvida, o uso da preposição "de" é facultativo. Exemplo: Lembrei-me (de) que devo estudar para a prova hoje.

- MEDITAR

Pede objeto indireto. No entanto,Possui duas regências sem mudança em seu significado.

Exemplos: (MEDITAR SOBRE OU EM ALGUMA COISA)

À noite, sempre medito sobre (em) minha vida.

 

- MORAR (RESIDIR)

Em dicionários de regência, como os de Celso Luft e de Francisco Fernandes, vemos que o uso da

preposição "a" com os verbos morar e residir é mais comum na linguagem burocrática, apesar de

também aparecer em textos literários. Mas só há registros disso antes de rua, praça, avenida (palavras femininas). Não há registro, por exemplo, de "Mora ao Largo da Carioca", "Reside ao Beco do Mota", etc. Já a preposição "em" é inquestionavelmente correta em qualquer desses casos: "Mora na Rua Prudente de Morais", "Reside no Largo do Machado", etc.

- NAMORAR

Pede objeto direto em qualquer das acepções em que ele possa ser tomado.

Exemplos: Marco namorou Denize por cinco anos.

Ele namorava os doces da vitrine.

Observação: É incorreto empregar a preposição "com" no sentido de "namorar com alguém".

- NOTIFICAR (ver AVISAR)

- OBEDECER (DESOBEDECER)

Pede objeto indireto.

Exemplos:

Os alunos obedecem ao professor e às leis do Colégio.

Ela sempre lhe obedece.

Muitos brasileiros ainda desobedecem aos sinais de trânsito.

Apesar de transitivos indiretos, estes verbos admitem a voz passiva analítica.

Exemplos:

Leis devem ser obedecidas.

Regras básicas de civilidade não podem ser desobedecidas.

Observação: Para substituir uma pessoa que apareça como complemento desses verbos, pode-se usar "lhe" ou "a ele / a ela": "Obedeço (desobedeço) ao mestre / Obedeço-lhe (desobedeço-lhe); Obedeço a ele (desobedeço a ele)". Para substituir o que não for pessoa, só se pode usar "a ele / a ela": "Obedeço (desobedeço) ao código / Obedeço (desobedeço) a ele".

- PAGAR

Pede objeto direto e indireto, que podem vir implícitos na frase.

Exemplos:

(PAGAR ALGUMA COISA A ALGUÉM)

Paulo pagou suas dívidas ao Banco.

João não paga aos seus fornecedores há dois meses.

Ele já pagou todo o material da obra.

- PERDOAR

Pede objeto direto de coisa perdoada - que pode estar implícita na frase - e indireto de pessoa a quem se perdoa.
 

 

Exemplos:

Perdoei-lhe a falta de educação.

"Perdoai-lhes (as ofensas), Pai! Eles não sabem o que fazem."

Deus perdoa aos pecadores.

- PERSUADIR

Quando significa "levar a crer, induzir a acreditar", pede objeto direto e indireto.

EXemplo: É preciso persuadir João dessas verdades.

Tambem com o sentido de "instigar", pede objeto direto e indireto.

Exemplos:

Com esta mentira, persuadiu Lúcia à fugir.

Persuadi-os a deixar de fumar.

- PRESIDIR

Pede objeto indireto.

Exemplo: O juiz presidiu ao tribunal com mão firme.

- PREFERIR

Pede objeto direto - para aquilo de que se gosta mais - e indireto - para aquilo de que menos se gosta. Junto ao seu objeto indireto, pede a preposição "a".

Exemplos:

(PREFERIR ALGUMA COISA A OUTRA COISA)

Prefiro feijoada a macarronada.

(Compare: "Prefiro a feijoada à macarronada." A presença do artigo "a" antes de feijoada exige que

também se empregue outro artigo antes de macarronada, acarretando desse modo o surgimento do

fenômeno da crase.)

Prefiro o cinema ao teatro.

Preferimos estudar a não fazer nada.

Observação: O uso da expressão "do que" no lugar da preposição "a" é incorreto. TAMBÉM NÃO SE DEVE EMPREGAR ESTE VERBO COM OS ADVÉRBIOS "mais" e "antes". Assim, é errado dizer: "Eu prefiro jogar bola do que estudar"; "Eu prefiro mais esta camisa que aquela"; "Eu prefiro antes tomar banho e depois jantar".

- PREVENIR (ver AVISAR)

- PROCEDER

Significando "iniciar, executar alguma coisa", pede objeto indireto com a preposição "a".
 

 

Exemplos:

O juiz procedeu ao julgamento.

Eles procederam à entrega dos prêmios.

Com o sentido de "vir, ter uma procedência", é intransitivo; geralmente acompanhado de um adjunto

adverbial de lugar.

Exemplo: Aquele avião procedia de São Paulo.

Significando "ter um determinado procedimento", também é intransitivo e, normalmente, pode vir acompanhado de um adjunto adverbial de modo.

Exemplo: Naquele caso, o advogado procedeu corretamente.

Com o significado de "ter fundamento", é intransitivo.

Exemplo: Esta sua denúncia não procede.

- PROPOR

Pede objeto direto e indireto.

Exemplos:

Eu proponho a vocês formarmos um grupo de debates permanente.

Nós lhe propomos um acordo irrecusável.

- QUERER

Pede objeto direto quando significa "ter intenção de, desejar, ordenar, fazer o favor de".

Exemplos:

Queremos fazer uma homenagem ao nosso professor.

Quero um livro que fale sobre esoterismo.

O sargento queria todos os soldados a postos.

Com o sentido de "ter afeição a alguém ou a alguma coisa", pede objeto indireto.

Exemplos:

Queremos muito a nosso país.

A mãe queria especialmente ao filho caçula.

Eu lhe quero muito bem.

- REPARAR

No sentido de observar, pede objeto indireto (reparar em).

Exemplo: Fernando reparava nas roupas de Carolina sempre que ela entrava na sala de aula.

Quando o verbo reparar for usado no sentido de "consertar", é TRANSITIVO DIRETO, e seu

 

complemento (objeto direto) não precisa de preposição.

Exemplo: Carlos reparou o carro para ir a Teresópolis.

- RESIGNAR

Com o significado de "renunciar, desistir", pede objeto direto.

Exemplo: Jorge resignou o cargo de diretor.

Significando "conformar-se", é pronominal.

Exemplos:

Por acreditar na Justiça Divina, resigno-me com minhas dores.

Resignou-se às tarefas que lhe foram dadas.

- RESPONDER

Pede objeto indireto de pessoa ou coisa a que se responde, e objeto direto do que se responde.

Exemplos:

Isabel respondeu sim ao pedido de casamento de Luiz.

Vou responder-lhe todas as cartas.

O acusado responderá a inquérito.

Observação: Este verbo também admite voz passiva analítica, desde que o sujeito seja aquilo, e não

aquele, a que se responde. Ex.: "Todas as perguntas foram respondidas satisfatoriamente.

- SATISFAZER

Pede objeto indireto.

Exemplos:

Satisfaremos ao seu pedido.

Eu lhe satisfaço.

É pronominal no sentido de "contentar-se".

Exemplo: Satisfez-se com os resultados das provas.

- SOCORRER

Significando "prestar socorro a alguém", pede objeto direto.

Exemplos:

Todos correram para socorrer o pedestre atropelado.

Todos correram para socorrê-lo.

No sentido de "valer-se de alguém, tirar proveito de alguma coisa", pede objeto indireto, iniciado pelas preposições "a" ou "de".
 

 

Exemplos:

Socorro-me dos amigos nas dificuldades.

Socorreu-se ao (do) empréstimo para comprar o carro.

- SUCEDER

Pede objeto indireto quando significar "substituir, ser o sucessor de".

Exemplos:

D. Pedro I sucedeu a D. João VI.

Eu lhe sucedi na presidência do grêmio estudantil.

É também pronominal no sentido de "acontecer depois, seguir-se".

Exemplo: O que se sucedeu ao acidente, ninguém sabe.

Observação: Neste último sentido, o verbo apresenta-se defectivo, sendo conjugado apenas na terceira pessoa do singular e do plural.

- VISAR

Significando "mirar, fazer pontaria, pôr visto em, assinar", pede objeto direto.

Exemplos:

Ele visa o alvo.

Ana não visou o cheque ao fazer aquela compra.

O presidente visaria o documento somente depois que o lesse.

Pede objeto indireto quando significa "pretender, almejar".

Exemplo: Aquele funcionário visava ao cargo de chefia.

Observação: Aqui também não é aceito o pronome "lhe" como complemento, empregando-se assim as formas "a ele" e "a ela".

SENTIDOS ESPECIAIS DE FRASES COM FORMAÇÕES DIFERENTES.

1. Ele esteve fora dois meses.

Ele esteve fora por dois meses. (idéia reforçada de ininterrupção)

2. Esperarr alguém.

Esperar por alguém (idéia de ansiedade)

3. Olhar alguém.

Olhar por alguém. (idéia de zelar, interessar-se)

4. Não faças bobagens.

 

Não me faças bobagens. (Reforço de interesse)